Poesia

Sem títulot

 

 

 

 

 

[Poemas publicados no Site Mallarmargens]

 

Esteio
Faz tempo que os trilhos estão solitários
Vazios
Enferrujados
Não tem mais brilho
O mato cresce
O caos domina
Ruinas linhas
O coração chega a ficar pequeninho
E a visão procura no infinito
O som Um apito de vida
Há um casarão ainda onde a infância brinca
Horas e horas espia
Tinir o sino
O enorme esteio esmaecido
Que sustenta quimeras
Nessa fotografia
(.

 

**

Dentro da velha
Um borralho
Um quebranto
Água rasa
reza espanto
Grito
No peito enrugado
Resmungos
Benzimentos
Cantigas
Orações nos cantos
[..]
Dentro da velha
Encanto
Abrição de Bocas
Caretas
Ervas Santa Sinais
Crianças
Gestos
respingos
Gotas
Remédios
Crenças
Simpatias cheias de Cheiros
Incensos
Respiro profundo
Arrepios dos pelos
Penitência
Dentro da velha observância
O tempo refletido no espelho

 

**

POESIA

3º lugar Mostra de artes de Diadema 2013

A lua goteja

Areia
Noite pálida
De medo alheio
As janelas conversam
As janelas resmungam
Elas rangem
Por dentro e por fora
O vento risca as pedras
Vozes das ruas
Silencia
A madrugada cochila
Do útero vem o dia

Compartilhe:

Deixe uma resposta